publicidade
Início Internacional A Cozinha Mundial de José Andrés Alimenta Pessoas em Zonas de Desastres...

A Cozinha Mundial de José Andrés Alimenta Pessoas em Zonas de Desastres e de Guerra

José Andrés’s World Central Kitchen Feeds People in Disaster and War Zones

Desde sua fundação em 2010 pelo chef José Andrés após um devastador terremoto no Haiti, o grupo de ajuda World Central Kitchen tem atuado em alguns dos maiores desastres, crises e conflitos globais, com o objetivo de fazer o que os chefs fazem de melhor: alimentar pessoas.

A organização sem fins lucrativos se une a fornecedores locais de alimentos, governos e donos de restaurantes para expandir rapidamente e fornecer refeições a pessoas necessitadas. Na semana passada, em uma atualização sobre seu trabalho em Gaza, a organização disse que a devastação e a necessidade lá eram “as mais graves que já vimos ou experimentamos em nossos 15 anos de história”.

Na terça-feira, o grupo anunciou que iria interromper as operações em Gaza e na região depois que sete de seus trabalhadores foram mortos em um ataque aéreo. A organização afirmou que o ataque foi realizado pelo exército israelense.

A suspensão privará a população cada vez mais faminta de Gaza de uma fonte de assistência alimentar humanitária, em um momento em que praticamente todas as fontes de provisões são fundamentais para evitar o que os especialistas vêm alertando há semanas: uma iminente fome.

O grupo opera 68 “cozinhas comunitárias” em Gaza e já enviou mais de 1.700 caminhões carregados com alimentos e equipamentos de cozinha em quase seis meses de guerra.

O World Central Kitchen é um provedor de ajuda relativamente novo em Gaza, onde as pessoas têm sido altamente dependentes de assistência humanitária há décadas por causa de um bloqueio israelense em vigor há muito tempo. Mas o grupo tem chamado a atenção por tomar medidas ousadas. Em março, tornou-se a primeira entidade a entregar ajuda por mar ao enclave em quase duas décadas, construindo um cais improvisado feito de escombros.

O primeiro navio de ajuda que chegou em meados de março entregou 200 toneladas de arroz, farinha e lentilhas, além de atum enlatado, frango e carne bovina, de acordo com o grupo. Um segundo carregamento maior com o dobro de ajuda deveria chegar nos próximos dias, após partir de Chipre no sábado.

Após a descarga do primeiro carregamento do navio, ele foi distribuído em Gaza por caminhão, segundo o grupo, que disse ter coordenado seus esforços com o exército israelense. Os trabalhadores mortos na segunda-feira estavam saindo de um armazém de ajuda no centro de Gaza, informou o grupo.

“A distribuição é o ponto fraco de qualquer resposta a desastres”, escreveu o Sr. Andrés em 2020 em um artigo de opinião para o The New York Times sobre a resposta à pandemia de coronavírus.

As iniciativas para enviar ajuda a Gaza pela costa do Mediterrâneo surgiram das frustrações entre agências de ajuda de que os suprimentos por terra estavam sendo retidos por inspeções israelenses nos postos de fronteira. O World Central Kitchen afirmou que em média 10 de seus caminhões conseguiam entrar em Gaza dos quase 20 que ele enviava diariamente para um posto em Rafah, no sul de Gaza, e que em alguns dias, nenhum conseguia passar.

A organização sem fins lucrativos cresceu rapidamente nos últimos anos, com mais de US$500 milhões em contribuições e subsídios em 2022, um aumento quatro vezes maior em relação ao ano anterior, os anos mais recentes para os quais há números disponíveis. Até 2022, a organização tinha 94 funcionários.

Ela forneceu alimentos em Porto Rico nos dias após o furacão Maria passar pelo local, enviou voluntários para Marrocos após um terremoto e distribuiu refeições na Ucrânia em meio à invasão russa.

Na Ucrânia, um restaurante operado pelo World Central Kitchen em Kharkiv, perto da fronteira do país com a Rússia, foi atingido por um míssil menos de dois meses após o início da guerra, ferindo quatro membros da equipe, informou o diretor executivo do grupo na época.

Sair da versão mobile