fbpx
27.5 C
Manaus
sexta-feira, 23 abril, 2021
Patrocinado
InícioAmazonasPaulo Guedes diz não saber dos prejuízos gerados à ZFM com decisão...

Paulo Guedes diz não saber dos prejuízos gerados à ZFM com decisão de Bolsonaro

Presidente decidiu reduzir o imposto de importação de bicicletas de 35% para 20% de forma gradual até o fim deste ano.

AMAZONAS – Deputados federais do Amazonas relataram que o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que não participou da decisão que reduziu a alíquota de Imposto de Importação para bicicletas, e que nem tinha conhecimento sobre os prejuízos gerados pela proposta. Segundo os parlamentares, em reunião com o ministro na noite desta terça-feira (23), Guedes pediu 24 horas para reavaliar a decisão do presidente Jair Bolsonaro.

Os parlamentares expuseram ao ministro que a medida deve atingir ao menos dez estado que possuem fábricas de bicicletas. Segundo os deputados, no Brasil 383 fábricas estão em funcionamento, 100 delas em São Paulo. A Zona Franca possui cinco.

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) avaliou como desplante a declaração do ministro.

A nossa bancada federal marcou audiência e esteve com o ministro Paulo Guedes e sabe qual foi a resposta que ele deu? Que não sabia. Não sabia bem do que se tratava. É um desplante. O presidente da República anuncia, andando de bicicleta, sem camisa, pelo Twitter, que está reduzindo a alíquota do polo de bicicletas, polo esse tão importante para a região de um país e o ministro nem sabia? Então ele tem que pedir para sair, porque o presidente da República já tomou o lugar dele. Está tomando as atitudes por ele”, disse Serafim durante sessão da Assembleia Legislativa (Aleam), na manhã desta quarta-feira (24).

Serafim afirmou que a redução da alíquota do imposto de importação de bicicletas põe em risco a permanência de empresas no Polo Industrial de Manaus (PIM). “Isso daí quebra o polo de bicicletas da Zona Franca de Manaus e coloca em risco o emprego de 5 mil trabalhadores”, declarou.

O líder do PSB na Casa Legislativa também criticou a maneira de governar do presidente da República, Jair Bolsonaro, e disse que depois do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, o próximo a ser “descartado” será o ministro Paulo Guedes.

Aliás, a demissão do presidente da Petrobras diz bem o nível de consideração que o presidente tem por ele [Paulo Guedes]. Ele está sendo fritado e não é em banho Maria, não. É em banha mesmo. Fritado pelo presidente da República da mesma forma que o Sérgio Moro foi fritado. Ele foi usado, fritado e, por último, descartado. O ministro Paulo Guedes está na fase dois. Ele está sendo fritado e será, proximamente, descartado”, afirmou.

Segundo o parlamentar, o que houve nessa terça-feira, 23, na reunião entre Guedes e a bancada do Amazonas foi um “mise en scène” (elementos de uma encenação) para mostrar comprometimento com a agenda liberal, o que foge da realidade.

Não tem [compromisso]. Isso daí é uma ilusão. Quem quiser que se iluda. A agenda do presidente da República é uma agenda intervencionista, estadista. Ele não quer o bem do Brasil. Ele não tem racionalidade. Ele tem um discurso pronto que deram para ele ganhar a eleição e na hora de governar, ele está fazendo tudo ao contrário daquilo que ele disse na campanha”, concluiu.

Comentários

- Advertisment -

Mais Lidas

Comentários

Fique sempre bem informado

Fique sempre bem informado

Receba notícias exclusivas diretamente em seu E-mail.

 
 
 
 
 

Sua inscrição foi realizada com sucesso

×

Olá!

Fale agora mesmo com nosso atendimento.

× Como posso te ajudar?