fbpx
28.3 C
Manaus
domingo, 13 junho, 2021
Patrocinado
Acessibilidade (Ouça a matéria completa)
InícioBrasilApós ser chamado de Vagabundo por Flávio Bolsonaro, Renan diz que CPI...

Após ser chamado de Vagabundo por Flávio Bolsonaro, Renan diz que CPI não vai se intimidar

Renan considerou ofensiva a postura de Flávio, que, acusou-o de estar usando a comissão como “palanque” e o chamou de vagabundo

Acessibilidade (Ouça a matéria completa)

Na abertura da reunião desta quinta-feira (13) da CPI da Pandemia, o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), ressaltou a importância da investigação, dizendo que o objetivo dos senadores é averiguar responsabilidades, sem se intimidar.

Antes de iniciar seus questionamentos ao representante da farmacêutica Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, que depõe como testemunha nesta quinta, Renan criticou o depoente de quarta-feira (12), o ex-secretário de Comunicação da Presidência da República Fabio Wajngarten, dizendo que ele mentiu perante os senadores e cometeu crime de falso testemunho. O relator também criticou o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), com quem discutiu durante o depoimento de Wajngarten. Para Renan, o episódio constitui “um dos maiores desacatos a uma comissão parlamentar de inquérito da história do Congresso Nacional, em particular do Senado”.

Apontando para uma placa à sua frente com o número de mais de 428 mil mortos pela pandemia no Brasil até agora, Renan disse que a CPI não vai aceitar intimidação.

— Eu tirei meu nome, coloquei este nome aqui para que não haja dúvidas sobre o motivo pelo qual nós estamos aqui investigando. Se houve homicídio, se houve genocídio, se não houve genocídio… Se houve, quem é o responsável ou quem são os responsáveis? Porque esta CPI não trata do senador Omar, do senador Renan, de nenhum de nós. Nós estamos aqui em respeito a essas vítimas, a essas vítimas. E a resposta que nós poderemos dar, da melhor forma, é com o aprofundamento dessa investigação. Eu quero dizer às famílias dessas vítimas, aos mais de 15 milhões de sequelados da covid no Brasil que, haja o que houver, intimidação todos os dias, não haverá problema.

Renan considerou ofensiva a postura de Flávio, que, na reunião da quarta-feira, acusou-o de estar usando a comissão como “palanque” e o chamou de vagabundo, o que levou os dois a trocarem farpas. 

— Quero dizer a todos os pregadores do ódio que, ao final da sessão, nós vimos que o filho do presidente da República, que sequer é membro desta CPI, veio aqui numa missão de fazer a única coisa possível: ofender e escrachar. Quero dizer a esses pregadores que minha resposta a todos esses ataques é esse número aqui, de 428.256 vítimas da pandemia — disse Renan. 

Renan criticou ainda a viagem do presidente da República, Jair Bolsonaro, a Alagoas, para inaugurar obras estaduais. Para o senador, a viagem é “uma evidente provocação” à CPI, e a resposta será aprofundar a investigação.

Comentários

- Advertisment -

Mais Lidas

Comentários

Fique sempre bem informado

Fique sempre bem informado

Receba notícias exclusivas diretamente em seu E-mail.

 
 
 
 
 

Sua inscrição foi realizada com sucesso

×

Olá!

Fale agora mesmo com nosso atendimento.

× Como posso te ajudar?