fbpx
24.3 C
Manaus
quarta-feira, 4 agosto, 2021
Patrocinado
InícioAmazonasMarcelo Ramos dispara em defesa da Zona Franca

Marcelo Ramos dispara em defesa da Zona Franca

Redução de créditos já levou fábrica da Pepsi que ficava em Manaus para o Uruguai

O deputado Federal Marcelo Ramos (PL-AM), publicou um vídeo em suas redes sociais na tarde desta quinta-feira (09), falando sobre a decisão do governo Federal de não renovar o decreto que estabelece 10% de crédito tributário sobre o IPI, para as indústrias de concentrados instaladas em Manaus, o que pode gerar um grande aumento no desemprego local.

 

 

 

Entenda

O Governo Federal decidiu não renovar o decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no ano passado, que estabeleceu em 10% os créditos tributários do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para as indústrias de concentrados instaladas em Manaus – que fabricam o xarope para refrigerantes. Com isso, volta a valer o decreto assinado pelo ex-presidente Michel Temer (MDB), que reduziu de 20% para 4% os créditos. Com isso, a permanência deste polo na Zona Franca está novamente ameaçada.


“A redução dos incentivos tributários para a produção de concentrados de bebidas não alcoólicas na Zona Franca de Manaus quebra o direito constitucional e a política de desenvolvimento sustentável, reconhecida inclusive pela Organização Mundial de Comércio.” A avaliação é do senador Eduardo Braga (MDB), que não economizou críticas, nesta quarta-feira (08/01), à decisão do governo federal.

“Nossa expectativa era garantir uma alíquota mínima de 12%. Com a redução para 4%, os maiores prejudicados são os produtores e os trabalhadores que movimentam a cadeia produtiva dos concentrados”, alertou o senador, destacando a importância do setor na geração de empregos na região. “São mais de cinco mil empregos gerados pela produção de guaraná, cana de açúcar e outras culturas, no interior do Amazonas, e pela fabricação dos concentrados, em Manaus”, ponderou.

O líder do MDB também chamou atenção para o papel estratégico dos benefícios tributários na preservação ambiental, uma vez que eles impulsionam atividades sustentáveis mais rentáveis que a exploração predatória da floresta. Ele observou que, para ter direito aos incentivos, as empresas que produzem os concentrados na Zona Franca de Manaus são obrigadas a usar matéria-prima regional.

“O Guaraná Antarctica, o Kuat, produzidos no Amazonas, vêm do fruto do guaraná que é colhido no Amazonas. Incentivar a produção local é garantir renda, trabalho e desenvolvimento para os amazonenses”, acentuou. Ele acredita que a redução da alíquota para 4% pode significar o fechamento das empresas instaladas na região, colocando em risco o emprego de milhares de trabalhadores.

Eduardo Braga argumentou, ainda, que “quando os constituintes estabeleceram a Zona Franca de Manaus eles não o fizeram para beneficiar a Coca-Cola, a Ambev, mas, sim, para beneficiar brasileiros que viviam esquecidos e abandonados na Amazônia, sem oportunidades de emprego e renda”. Muito mais que um programa de incentivo fiscal, a ZFM é, comprovadamente, na opinião do parlamentar, o mais bem-sucedido modelo de desenvolvimento regional sustentável do país.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Mais Lidas

Comentários

Fique sempre bem informado

Fique sempre bem informado

Receba notícias exclusivas diretamente em seu E-mail.

 
 
 
 
 

Sua inscrição foi realizada com sucesso

×

Olá!

Fale agora mesmo com nosso atendimento.

× Como posso te ajudar?