Barroso diz que houve ‘nível mínimo’ de fake news nas campanhas

Ministro diz que parcerias com plataformas e agências de checagem ajudaram a diminuir ruídos.

Barroso quer adiar eleições 2020
Foto: Divulgação

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou na sexta-feira (13), que houve um “nível mínimo” de circulação de fake news nas campanhas para as eleições municipais deste ano.

Ainda temos dois dias até as eleições. Mas, talvez, nos últimos tempos, esta tenha sido a eleição com menor incidência de notícias fraudulentas”, afirmou Barroso em seminário promovido pelo TSE sobre os desafios do sistema eleitoral brasileiro.

“Achamos que esta é uma eleição em que o nível de circulação de notícias fraudulentas foi mínimo. Felizmente”, declarou.

Segundo Barroso, parcerias com plataformas digitais e agências de checagem de informação contribuíram para diminuir a circulação de conteúdo falso sobre as eleições. O TSE também promoveu campanhas contra a desinformação.

Nós achamos que essas parcerias com as mídias sociais derrubaram centenas de pontas que tinham comportamentos inautênticos”, disse o presidente do TSE.

O primeiro turno das eleições municipais acontece neste domingo (15), em todo o país, quando os eleitores deverão escolher novos prefeitos e vereadores. Nas cidades em que for necessário, o segundo turno acontecerá em 29 de novembro.

No seminário, integrantes da Justiça Eleitoral apresentaram o sistema eleitoral brasileiro a autoridades da Argentina, Chile, Colômbia, República Dominicana e do Parlamento do Mercosul, que acompanharão as eleições deste ano como convidados especiais do tribunal no domingo.

Convocação às urnas

Barroso conclamou os eleitores a comparecerem às urnas – mesmo quem tem direito ao voto facultativo.

O ministro também afirmou que o TSE vem tomando todos os cuidados para que haja segurança no pleito, tanto em relação à Covid-19 quanto ao funcionamento das urnas eletrônicas e da totalização de votos.

“Quem está tranquilo, está mal informado. O STJ [Superior Tribunal de Justiça] teve ataque cibernético na semana passada. Isso acendeu muitas luzes amarelas. Estamos tomando todos os cuidados, mas não dá para relaxar. Se Deus quiser, na segunda teremos chance de relaxar”, disse.

Comentários