fbpx
26 C
Manaus
segunda-feira, 10 maio, 2021
Patrocinado
InícioBrasilMoraes nega novo recurso de Witzel para suspender processo de impeachment

Moraes nega novo recurso de Witzel para suspender processo de impeachment

Defesa de Witzel argumentou que Tribunal Misto seguiu com processo sem que a acusação apresentasse o 'libelo acusatório'.

BRASIL – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes considerou, em decisão nesta segunda-feira (19), “improcedente” um novo pedido apresentado pela defesa de Wilson Witzel (PSC) para paralisar o julgamento que pode levar ao impeachment do governador afastado do Rio de Janeiro.

Na mais recente representação contra o processo, Witzel argumentou que o Tribunal Especial Misto do RJ deu seguimento ao processo sem que fosse apresentado pela acusação o “libelo acusatório“, ou seja, uma definição clara dos crimes cometidos pelo governador afastado.

Moraes, na decisão, afirmou que “o rito procedimental relativo a processos semelhantes ao de Witzel não inclui a necessidade de apresentação de libelo acusatório” e que a denúncia apresentada contra Witzel foi delimitada “de forma clara e objetiva” em outros momentos do procedimento.

O deputado Waldeck Carneiro (PT), relator do processo no Tribunal Misto, disse não ter se surpreendido com a decisão do ministro do Supremo porque, segundo ele, a legislação “não prevê textualmente” a necessidade de um libelo acusatório.

E mesmo que tivesse [na legislação], a acusação está fundamentada em dois eixos que são claros: a requalificação discricionária por parte do governador afastado da Unir, a OS Unir, e a recontratação da OS Iabas para administrar, com um contrato que superou R$ 900 milhões, os hospitais de campanha, que foram um fracasso retumbante“, afirmou Carneiro.

Pedido anterior também negado

Na segunda-feira (5), Moraes já tinha negado outro pedido da defesa do governador afastado para que o processo de impeachment fosse suspenso.

A defesa de Witzel, na ocasião, argumentou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) não tinha enviado a “totalidade dos anexos da delação premiada de Edmar Santos“, ex-secretário estadual Saúde.

Ao analisar o primeiro pedido, Moraes entendeu que foi assegurado à defesa o acesso ao material remetido pelo STJ para o Tribunal Misto que julga o impeachment e que fazia referência a Witzel.

No último dia 7, o tribunal – formado por desembargadores e deputados estaduais, deu o prazo de dez dias para que a acusação apresentasse, por escrito, as alegações finais no processo.

Depois, a defesa do governador afastado também teria outros dez dias para, também por escrito, para apresentar as alegações finais. O governador afastado tem até o dia 23 para entregar o documento.

A acusação entregou as alegações no dia 9 e, no documento, pediu para que o governador afastado seja condenado por crime de responsabilidade e perca os direito políticos por 5 anos.

Leia Também:

PSOL e PCdoB entram com ação no STF para pedir lockdown nacional

Comentários

- Advertisment -

Mais Lidas

Comentários

Fique sempre bem informado

Fique sempre bem informado

Receba notícias exclusivas diretamente em seu E-mail.

 
 
 
 
 

Sua inscrição foi realizada com sucesso

×

Olá!

Fale agora mesmo com nosso atendimento.

× Como posso te ajudar?