fbpx
27.5 C
Manaus
sexta-feira, 23 abril, 2021
Patrocinado
InícioBrasilSupremo recebe do PSB acusação contra Bolsonaro por homicídio na pandemia

Supremo recebe do PSB acusação contra Bolsonaro por homicídio na pandemia

Ação enviada ao presidente do STF, ministro Luiz Fux, faz um histórico dos atos do Presidente desde o início da pandemia.

BRASIL – O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu, na quarta-feira (24), mais uma ação, acusando o presidente Jair Bolsonaro(sem partido), do crime de homicídio.

Na mesma peça ele é acusado também de omissão e de prevaricação em ações de combate à pandemia do coronavírus (covid-19).

Desta vez, a representação judicial foi movida por parlamentares do PSB, de acordo com o portal “Notícias ao Minuto“.

A ação enviada ao presidente do STF, ministro Luiz Fux, faz um histórico dos atos de Bolsonaro desde o início da pandemia, em março do ano passado, com intuito de demonstrar as diversas situações em que o presidente não só minimizou os riscos à população do novo coronavírus, como também retardou a compra de vacinas oferecidas ao país, ainda em 2020, o que poderia ter acelerado o processo de imunização e, assim, evitado milhares de mortes. 

Ação é assinada pelos deputados: Elias Vaz (GO), Alessandro Molon (RJ), Denis Bezerra (CE), Lídice da Mata (BA), Camilo Capiberibe (AP), Bira do Pindaré (MA), Vilson Luiz da Silva (MG), Aliel Machado (PR) e Gervásio Agripino Maia (PB).

Além de afirmar que não compraria a vacina coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, em parceria o laboratório Sinovac, Bolsonaro reteve a aquisição das vacinas Pfizer, sob o argumento de que as cláusulas do contrato – que já tinham sido aceitas por diversos países – não interessavam ao governo brasileiro.

A situação levou o próprio presidente mundial da Pfizer a declarar que havia oferecido o imunizante ao Brasil, mas que o governo Bolsonaro atrasava a aquisição e não se posicionava a respeito.

O presidente disse, por sua vez, que não aceitava as regras da Pfizer que colocassem em risco a vida dos brasileiros.

De acordo com Bolsonaro, a farmacêutica se eximia, em seus contratos, de responsabilidade por efeitos colaterais danosos aos pacientes, causados pela sua vacina.

Conforme ainda o presidente brasileiro, a Pfizer exigia também que qualquer ação judicial contra ela, só aceitaria se fosse em tribunais dos Estados Unidos.

Primeira oferta

A Pfizer fez a primeira oferta em 14 de agosto de 2020, e a proposta previa a entrega de 500 mil doses já em dezembro de 2020, e o restante dos 70 milhões até junho de 2021.

Nada ocorreu. Somente na última sexta-feira, 19, o governo formalizou a assinatura de contratos com as farmacêuticas Janssen e Pfizer para o fornecimento de 138 milhões de doses de vacinas contra covid-19, quando o Brasil já contava com 294.042 mil mortos e quase 12 milhões de infectados.

De acordo com o governo brasileiro, a compra da vacina da Pfizer só foi efetuada após a aprovação e autorização pelo Congresso Nacional, projeto de lei este que foi aprovado no início deste mês.

Comentários

- Advertisment -

Mais Lidas

Comentários

Fique sempre bem informado

Fique sempre bem informado

Receba notícias exclusivas diretamente em seu E-mail.

 
 
 
 
 

Sua inscrição foi realizada com sucesso

×

Olá!

Fale agora mesmo com nosso atendimento.

× Como posso te ajudar?